Artigos

Transparência nas plataformas digitais, uma questão essencial

Discussão sobre transparência nas plataformas digitais demorou a chegar ao Brasil, e só agora o mercado parece ter despertado para a necessidade de trazer regras mais claras e uma regulação mais assertiva

 

Nos últimos meses Unilever e a P&G globais vêm movimentando o mercado ao jogar luzes sobre a necessidade de transparência no mercado de dados digitais. Uma discussão imprescindível e que deve ser iniciada imediatamente também aqui no Brasil para que asseguremos um mercado justo, saudável e diverso em que todos os players tenham garantidos seus direitos à informação de confiança e à uma competição leal.

A discussão sobre transparência demorou a chegar. Vamos lembrar, que a publicidade no mundo digital começou no início dos anos 90 e de lá para cá cresceu exponencialmente. E só agora, quase 30 anos depois, o mercado parece ter despertado de vez para a grande necessidade que temos de trazer regras mais claras e uma regulação mais assertiva do mercado. Essas são premissas básicas para a construção de qualquer mercado forte e o Brasil precisa estar na liderança desta discussão já que somos um dos maiores consumidores mundiais de gadgets, plataformas e conteúdos digitais.

 

Então, o que provocou o adiamento dessa discussão?

Em minha opinião houve um desalinhamento de entendimento e de interesses dos diversos players que compõem e constroem este mercado.

Começando pelos grandes anunciantes. Não há como negar que houve uma certa demora por parte das maiores marcas em reconhecer o verdadeiro poder da internet como ferramenta de comunicação, de vendas e de construção de marca. Como consequência, as verbas destinadas para as plataformas digitais foram, por anos a fio, irrisórias no bolo de mídia e aí, uma coisa levou a outra: apesar de serem grandes consumidores do conteúdo digital, como gestores de marketing eles não prestaram a devida atenção na qualidade dos fornecedores, no serviço prestado e nem nos resultados vindos de anúncios online. Se parte do dinheiro acabou sendo desperdiçado com ​bots e se esvaiu em fraudes, poucos perceberam e quem percebeu não achou fórum significativo para reclamar punição.

O segundo desalinhamento aconteceu entre o modelo de negócio de remuneração praticado no mercado publicitário e a necessidade de rigor nas métricas para que uma campanha online seja efetiva. Trabalhamos remunerando as agências por volume e, na internet, sem que a transparência seja uma questão abertamente discutida, é muito fácil inflar números por meio de redes de bots​ ou não fazer nada a cada novo escândalo de manipulação de métricas por parte dos grandes players​. Esse conflito de interesses acabou favorecendo a falta de transparência e abriu espaço para pouco cuidado com o rigor de métricas, possibilitando fraudes.

Por fim, os publishers. Ao perceberem o desalinhamento do cliente com o potencial estratégico das plataformas e um modelo de negócio de remuneração de agências baseada em volume, eles priorizaram a maximização dos lucros vendendo números inflados por tráfego de má qualidade, em vez de informações de fato relevantes para o negócio do anunciante.

 

E como resolver a questão?

Para garantirmos a transparência dos grandes players é preciso agirmos em duas mãos: a padronização na medida dos resultados e uma regulamentação forte administrada por uma entidade com poder de punição para que seja de fato respeitada.

Com o alto nível de profissionalismo que o mercado publicitário adquiriu nas últimas década, é difícil entender que qualquer player da indústria admita publicamente ter contabilizado de forma errada o número de visualizações de vídeos online, distorcendo métricas, e que não haja nenhuma agência reguladora capaz de advertir e punir más práticas como esta. Temos que questionar mais as métricas apresentadas. Temos que questionar mais as promessas de entrega e estabelecer padrões para certos conceitos. O que entendemos como “visita” do consumidor a um determinado local: vale uma precisão de 500 metros ou o máximo admitido para ser classificado como visita é uma precisão de 5 metros do local determinado? É preciso esclarecer. É preciso regras comuns, para conceitos comuns.

Por isso, é essencial que fortaleçamos nossas associações e entidades de marketing digital para que tenham autoridade para fazer valer os mesmos padrões para todos os players, defendendo os valores da ética, os direitos de anunciantes e o fortalecimento da cadeia. Ainda que louvável, não adianta P&G e Unilever se levantarem sozinhas pela transparência, ameaçando boicotar ou fazer qualquer outra retaliação individual contra as gigantes. Se não houver uma entidade que de fato represente estes anunciantes padronizando as métricas e colocando regras mais severas nos publishers com poder de punição em caso de desalinhamento, continuaremos com a lógica de hoje: as gigantes lucram fazendo o errado​ e os que fazem certo, são punidos. No final, além de perderem os próprios anunciantes que vem financiando tudo isso, perdemos todos a chance de construir um mercado cada vez mais forte, profissional e ético.

 

Leituras relacionadas: 

>> Como os novos e os velhos players da cadeia publicitária enxergam as transformações no setor

>> 2018: para onde aponta o mercado de publicidade?

 

André Ferraz

é CEO e co-fundador da In Loco Media. Formado em Ciências da Computação, pela Universidade Federal de Pernambuco, começou a empreender com 19 anos, ao aplicar os conhecimentos acadêmicos na criação de tecnologia de geolocalização indoor mundialmente exclusiva e eleita como a mais precisa do mundo, em 2014, pela Microsoft Research.

Comentários

PUBLICIDADE

RECEBA NOVIDADES

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Oferecimento:

Projeto mantido por:

Media Partners:

Projeto hospedado por: