Artigos

Como uma abordagem de design pode ajudar os negócios na transformação digital

Marília Nunes, do Havas Group, explica como o design pode ser uma ferramenta de transformação digital para as empresas 

 

Contexto das mudanças tecnológicas

Prever o que vai acontecer no futuro em tecnologia é quase impossível. Em 1877, Ken Olsen presidente da DEC falou: “Não há motivo algum para que as pessoas queiram ter um computador em casa”.  Há pouco mais de 20 anos, Robert Metcalfe, co-inventor da Ethernet, disse: “A internet vai, em breve, se tornar uma espetacular supernova e em 1996 entrará em colapso catastroficamente.” Em 2007, Steve Ballmer, ex-presidente executivo da Microsoft chegou a falar: “Não existe nenhuma chance de que o iPhone se torne um sucesso de mercado.” Isto mostra que pessoas inteligentes, com acesso às informações mais atuais em seu período de gestão, foram incapazes de prever o que viria logo a seguir.

Hoje já estamos vendo tecnologias móveis embutidas nas roupas e até sob a pele das pessoas, mais de 1 bilhão de usuários conectados através de uma única rede social, carros autônomos, delivery com drones e até edição de DNA virando realidade. O fato é que as tecnologias vêm moldando de forma muito definitiva o modo como experienciamos o mundo e interagimos com as outras pessoas.

 

Transformação digital

Ainda que o impacto do avanço das tecnologias seja tão evidente no nosso dia a dia, segundo a McKinsey, a grande maioria das empresas subestima o poder do digital, a sua escala de disrupção e, talvez acima de tudo, as mudanças comportamentais que ele traz consigo.

Transformação digital não é um termo da moda para convencer o cliente a abrir uma fanpage no Facebook ou investir em programática. Também não é algo resumido à experiência do cliente. Ela representa uma mudança estrutural profunda nas organizações.

Resumindo, trata-se de quanto uma empresa conhece e está conectada às necessidades dos seus consumidores e sua capacidade de se adaptar e oferecer experiências inovadoras num contexto de mudanças constantes.

 

Foco no ser humano

Segundo o Meaningful Brands® – estudo global único do Grupo Havas, que liga o desempenho da marca ao nosso bem-estar e qualidade de vida –  77% dos millennials esperam que as marcas produzam conteúdos relevantes e serviços além da oferta habitual.

O foco no comportamento e personalidade do consumidor, da concepção da ideia à implementação de um produto/serviço, é fundamental para uma entrega coesa e integrada. Em outras palavras, a grande jogada não é necessariamente o resultado, ela opera em nível mais profundo, atravessando os processos e suas interconexões. Pois para gerar resultados inovadores de forma efetiva e sustentável, é necessária uma transformação do mindset das pessoas que vão operar essa mudança.

Portanto, quais processos levarão à resultados que garantam, em última instância, o bem-estar e qualidade de vida das pessoas?

 

O design como uma ferramenta de transformação

Quando falamos em design, as pessoas geralmente pensam em objetos ou peças gráficas bonitas. Claro que elementos clássicos do design visual, como cores, tipografia e grafismos, reunidos num bom layout, desempenham um papel importante no impacto da experiência de um produto sobre os consumidores. Entretanto, o design pode ir muito além disto.

Pensar como um designer, pode mudar a forma como as empresas desenvolvem produtos, serviços, processos e estratégias. Essa abordagem, chamada Design Thinking, reúne o que é desejável pelas pessoas ao que é tecnicamente e economicamente viável. Ela também pode ser adotada em diferentes projetos, para diferentes negócios e setores por ser adaptável a uma grande variedade de desafios.

 

Abaixo, 5 dicas fundamentais para abordagem de desafios inspiradas no design thinking:

  1. Redefina o problema – Normalmente o problema apresentado é só a ponta do iceberg. Observe-o sobre diferentes pontos de vista para ter uma visão holística. Identifique o real problema e não o perca de vista.
  2. Abrace as diferenças – Todos somos criativos. Agregue pessoas de áreas diferentes, com diferentes experiências. Aproxime ideias que a princípio pareçam desconexas.
  3. Compreenda os valores humanos – Pesquise. Fale com o consumidor. Crie um roteiro de entrevistas para entender o que ele pensa, sente, fala e faz em relação ao problema. Então, identifique nas respostas suas principais dores e necessidades.
  4. Tangibilize os valores e relações – Associe valores a coisas tangíveis. Materialize as conexões entre as pessoas criando engajamento emocional.
  5. Otimize – Estabeleça metas de curto prazo e teste suas ideias. Quanto mais rápido você descobrir o que está dando errado, mais rápido vai ter sucesso.
Marília Nunes P Silva

é consultora de Projetos no Havas Group. Marília é formada em Design Gráfico, especialista em Estéticas Tecnológicas e Design Estratégico e Inovação.

Comentários

PUBLICIDADE