Artigos

Bumper Ads: o formato de anúncio do futuro

Você já deve ter sido impactado por anúncios não puláveis enquanto aguarda o início de um vídeo no YouTube, certo? Ainda não muito popular, mas bastante ativo, o Bumper Ads se mostra um formato de anúncio interessante para a penetração de sua mensagem ao seu público-alvo. De forma simples, rápida e principalmente eficaz.

Ele só permite que sua mídia tenha 6 segundos, nada a mais e nem a menos. É preciso que sua mensagem seja direta, sem trololó para persuadir o usuário a ficar no anúncio até o final e sim convencê-lo a clicar e ser direcionado para seu site ou reforçar alguma outra mensagem que você gostaria que ele soubesse.

Como o usuário não pode pular seu anúncio, você tem que não só ser sucinto, mas garantir que, se ele não interagir com sua mensagem naquele tempo estipulado, ele pelo menos lembre do anúncio. Convencer o usuário a migrar para a sua página numa outra aba do browser ou depois de consumir o que ele, de fato, estava buscando no YouTube também é necessário.

É um desafio para a sua criatividade desenvolver algo em tão pouco tempo e de forma tão impactante para usuário atingido pelo anúncio. E se você não se sente à vontade para produzir materiais de consumo e conversão rápida, você não vai conseguir lidar com uma geração de millennials que necessita de coisas mais ágeis e simples, mas ao mesmo tempo criativas.

Estudos recentes mostram que esse formato gerou um aumento de 48% na recordação do anúncio e 123% de interesse na procura por palavras-chave destacadas nos anúncios.

Que tal utilizar o Bumper Ads para reforçar o branding da marca com seu cliente? Ou numa campanha de remarketing para lembrar que ele deu uma olhada nas promoções do site e que aquelas condições especiais estão acabando? E o que acha de contar pra ele não comprar carro amanhã, pois, nesse final de semana, a sua montadora terá um grande feirão para compra de automóveis?

Viu só? As possibilidades são praticamente infinitas e é possível sim criar materiais de consumo rápido que geram conversões tão eficazes quanto as campanhas comuns.

Antes de se perguntar se mídias com características de consumo mais rápidas, de fato, funcionam, lembre-se que o Snapchat e o Instagram Stories já provaram que sim.

Fernando Mello

é diretor de Novos Negócios da GTC - Good to Connect. Bacharel em Ciência da Computação pela PUC-SP, liderou campanhas de Performance para empresas como Yoki, Anador, Levi’s, Planet Girls, Ultragaz e outras. É membro do comitê de Search da ABRADI e professor de Performance nas Faculdades Belas Artes, FAAP e na Impacta Tecnologia

Comentários

PUBLICIDADE