Artigos

A nova economia baseada na Reputação e Confiança

Foto: lousa com uma lâmpada em cima e desenhos saindo dela.

Eu adoro viajar (e acredito que você também). Aliás, acho que todas as pessoas do mundo devem adorar viajar também. E antigamente como você fazia para reservar um hotel?

Você ia na agência de viagem, que te apresentava hotéis parceiros e recomendados por eles ou você perguntava referências para os seus amigos, ligava para o hotel e reservava sua estadia. E claro, depois torcia para que desse tudo certo e não se decepcionasse quando chegasse no local escolhido.

E hoje? Quando você deseja escolher um hotel, você procura o site de reservas com melhor reputação, filtra hotéis por faixa de preço que deseja pagar, classifica por melhores avaliações/estrelinhas e depois lê as reviews positivas e negativas para decidir seu processo de compra.

O que mudou no comportamento do consumidor nesses últimos anos? Muita coisa. Antigamente o modelo mental de compra era baseado em três momentos: o estímulo (a propaganda), o primeiro momento da verdade (quando havia o contato com o produto) e o terceiro momento da verdade que era a experiência com o produto.

Com a chegada da internet mais acessível a todos e mecanismos de busca virtual, surgiu uma nova etapa nesse modelo: o consumidor tem o estímulo e na sequência ele pesquisa sobre o produto ou serviço. Inicialmente o Google chamou esse momento de ZMOT (Zero Moment of Truth / Momento zero da Verdade):

 

Crédito foto: Reclame Aqui

 

Esse comportamento acompanhou o consumidor por alguns anos e a mídia digital veio como oportunidade de influenciar esse momento, tentando capturar o consumidor no momento da pesquisa.

Contudo, toda a transformação digital e a nova economia baseada na reputação e confiança do consumidor, gerou um novo comportamento, que chamamos de TBM (Trust Build Moment / Momento de Construção de Confiança)

O TBM não é um momento linear do processo de pesquisa, como mais uma etapa no processo de decisão do consumidor, mas ele está presente em toda e qualquer interação/contato da marca com o consumidor. Cada um desses momentos é como um “tijolinho” sendo acrescentado na construção da REPUTAÇÃO e CONFIANÇA da marca com aquele indivíduo.

Crédito foto: Reclame Aqui

 

Portanto, uma promoção enviada ao cliente pode contribuir para construir (ou não) a confiança na marca. Uma experiência anterior de compra, o posicionamento da marca frente a questões da sociedade, uma ligação do vendedor, relatos de outros consumidores, um atraso na entrega, uma mensagem ativada, um atendimento realizado, a assistência técnica… enfim, todos esses momentos definem o quanto o consumidor está disposto a arriscar realizar uma compra (ou recompra) com sua marca, levando em conta a CONFIANÇA que ele tem nela e como ela lida com problemas quando eles ocorrerem.

Diante desse cenário, a construção da reputação da marca passa a ser um fator essencial para vender para esse novo consumidor e para retê-lo. Não basta mais somente ter um bom produto e um bom preço, porque o consumidor não levará apenas isso em consideração, mas também todo o contexto e esferas em que a marca está inserida.

E o ATENDIMENTO é por si só um dos fatores que contribuem fortemente para a construção da reputação. E como garantir que o atendimento contribua de forma positiva para isso?

É importante começar medindo o esforço do cliente em seus canais, e se o atendimento, de fato, está atendendo às necessidades básicas de seus consumidores. Entregar o básico é a garantia de poder criar elos com o consumidor.

Ter canais de atendimento, atender a estes canais rapidamente e ter sempre o objetivo de RESOLVER quando um cliente entrar em contato, compõem as necessidades básicas do cliente.

Garantido isso, é hora de pensar em como fazer o algo mais, se diferenciar em relação aos concorrentes, gerando uma relação mais amigável e acolhedora com o cliente.

E tenha certeza que as coisas mais simples são as que mais vão encantar seu cliente (desde que você faça o básico e resolva quando houver um problema). Uma ligação para saber se o produto chegou, um “sinto muito” quando ele conta sua história, a empatia e conexão no contato com ele, um pedido de desculpas, uma informação a mais que ele não esperava, uma carta de agradecimento.

A reputação é uma construção de histórias com seu cliente. Não é sobre o que você diz que vai fazer, mas sobre o que você já fez e está fazendo. Portanto, para garantir um futuro feliz na nova economia, comece hoje olhando os pontos de contato/relação com seu cliente e medindo o quanto a sua marca está construindo (ou desconstruindo) a confiança e comece a garantir a sustentabilidade da sua marca na nova economia, a economia da reputação.

Gisele de Paula

é Diretora de Relacionamento B2B e Novos Negócios do ReclameAQUI, HugMe e Leegol, com graduação em Publicidade e Propaganda e pós graduada pela Fundação Getulio Vargas, com MBA em Marketing. É palestrante e estudiosa do comportamento do novo consumidor e estratégias para atendê-lo com eficácia na internet. Iniciou sua carreira na área de Relacionamento com o Cliente em 2001, atuando na implantação e gestão de equipes de Atendimento, Relacionamento e Ouvidoria. Atualmente, é sócia da holding Óbvio Brasil, detentora das marcas, Reclame AQUI, Leegol, HugMe e Sapato Laranja.

Comentários

PUBLICIDADE