Artigos

Empresas devem apoiar causas e manifestar seus ideais no digital?

Vivemos em uma era de enxurrada de opiniões, ideais e causas. Estamos numa guerra, onde as pessoas possuem uma armadura chamada tela e, através dela, criamos uma coragem que muitas vezes é inexistente na vida real. Assim, escrevemos os famosos textões, batemos de frente, criticamos sem argumentos e até perdemos o respeito.

Mas, no meio dessa infinidade de conteúdo, muitos assuntos, mesmo os polêmicos, possuem boas causas e consequências, como: espalhar o bem, fazer com que as pessoas reflitam e sejam mais tolerantes. Pelo menos, é o que a gente espera, né? E aí vem o questionamento para as empresas que possuem suas marcas ativas nos canais digitais: se todo mundo está falando, devemos falar também? Devemos nos posicionar?

Não podemos esquecer, bem antes do mundo digital, a Benetton já se posicionava. Desde os anos 90, suas campanhas polêmicas faziam críticas ao racismo e ao preconceito, afinal “United Colors of Benetton”!

Mas com a internet, tudo fica em evidência. Logo, nos deparamos diariamente a diversas lutas, sejam sobre empoderamento feminino, racial, orientação sexual e até política. Fica a dúvida entre apoiar e muitas vezes dividir a opinião do seu target, ou se manter imparcial e nem tocar no assunto.

 

Algumas empresas que apoiaram causas (para se inspirar)

A Avon é um exemplo sobre o empoderamento da mulher. E não foi só um post ou uma campanha que teve início, meio e fim. Eles realmente adotaram a essência e trouxeram isso para a marca. Durante o Outubro Rosa, Candy Mel, vocalista da Banda Uó, foi a primeira mulher trans a estrelar a campanha da Avon.

Captura de Tela 2016-03-24 às 12.01.09

 

E como o público reagiu? Basta acompanhar nos comentários! <3

Não para por aí. A L’Oréal Paris no Dia da Mulher contou a história de Valentina Sampaio, modelo e também trans, na campanha “Toda mulher vale muito!”. Os comentários também estão no próprio post.

untitled-1_1

O que é legal observar é que, quando alguém faz alguma crítica contra essas campanhas, há usuários que apoiam a causa, defendendo a marca.

No dia em que a Suprema Corte aprovou o casamento Gay nos EUA, o Facebook criou uma ferramenta para aplicar o filtro arco-íris à foto do perfil. Usuários que apoiavam a causa trocaram suas fotos de profile. Diversas empresas, faculdades e até companhia de metrô também fizeram isso. A Locaweb aderiu à campanha e como, coordenadora de mídias digitais, posso dizer que não esperávamos as 222 curtidas numa foto de perfil. Sério!

Captura de Tela 2016-03-24 às 15.01.18

 

Mantendo o bom senso, sim, é mais do que válido se posicionar! Mas precisamos estar atentos a alguns detalhes:

  1. Sua equipe está preparada para os textões de pessoas contra?
    Se sim, mande ver. Se não, repense. Se tiver uma ideia incrível e puder colocá-la em prática, mas não tiver pessoas preparadas para responder, é melhor ficar de fora.
  2. Colete opiniões diversas antes de compartilhar
    Precisamos sempre ter a opinião do público-alvo antes de jogar algo na rede. Não adianta deixarmos uma pessoa criar, achar que está correto e que será um sucesso. Chame o maior número de pessoas da equipe, chame pessoas que fazem parte do seu target, jogue a ideia na mesa e colete opiniões diversas. Isso também ajuda a se preparar para o que pode surgir de comentários.
  3. Assuntos polêmicos para espalhar o bem X Assuntos polêmicos para causar discussões
    Para qualquer opinião, sempre terá alguém contra. Sempre. Mas temos que saber escolher o que apoiar. Não precisamos nos posicionar sobre tudo o que estão falando. É sempre saudável que as marcas demonstrem seu apoio às causas, como lutar contra o preconceito e incentivar a igualdade. Mas falar sobre política ou religião, por exemplo, será sempre delicado.

 

O que tiramos dessa história?

Se posicione sim! Mas evite confrontos e tome cuidado com discursos que incentivam o ódio. Esteja preparado, pois defender seus ideais, mesmo sendo para o lado do bem, não elimina alguém para contra-atacar. Apoiar e espalhar o amor é sempre válido. 🙂

 

Avatar

é autora do livro "Como acabar com sua #empresa em apenas 140 caracteres". Graduada em Publicidade e Propaganda com Especialização em Gestão: Moda e Marketing, e em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais. Já palestrou em eventos na área de Comunicação Digital, como Encontro Locaweb, Campus Party, Twitter Moments e Social Media Week. Atualmente, coordena a área Digital da empresa Locaweb.

Comentários

PUBLICIDADE