Artigos

Tecnologia e criatividade marcam presença no Web Summit em Lisboa

screen-shot-2016-11-08-at-7-09-55-pm

Durante os dias 7 a 10 de novembro, aconteceu um dos maiores eventos de tecnologia na Europa, o Web Summit. A feira, que nasceu em Dublin há 5 anos, foi pela primeira vez à Lisboa.

Lisboa tem vária semelhanças com São Francisco: o sobe e desce das colinas, ambiente acolhedor e a ponte “25 de abril” que foi concebida pelo mesmo arquiteto da famosa Golden Gate, Ray M. Boynton.

Nos próximos dois anos, o Web Summit será em Lisboa. Sem dúvida isso é bom para Portugal que, desde 2008, perdeu cerca de um quarto de seu poder econômico, e nada como um bom investimento nas novas economias para dar um empurrão no país.

À noite, os participantes do evento e os habitantes da cidade se misturavam na Pink Street e nas ruas estreitas do Bairro Alto em uma atmosfera super cool. Esse ambiente foi estimulado pela organização do evento que credenciava os bares e espaços facilitando o encontro entre os participantes.

web summit
Encontro dos participantes do Web Summit no Bairro Alto, em Lisboa

 

Estrutura do  evento e público-alvo

O Web Summit teve a participação de 53.056 pessoas vindas de 166 países, sendo 42% mulheres. O evento contou com sete palcos e uma arena para conferências divididos em temáticas como: Saas Monster, Creatiff, Content Makers, AutoTech, Future Societies, Health Sports. Influenciadores como o jogador Ronaldinho Gaúcho e o ator Joseph Gordon-Levitt dividiram o palco com o Sean Rad – CEO do Tinder, Carlos Ghosn – CEO de Renault Nissan, e Mike Schroepfer – CTO do Facebook.

O evento reuniu investidores, startups e profissionais de marketing. Para os profissionais de marketing foi uma oportunidade única assistir keynotes e painéis de qualidade com os grandes nomes do Digital de diversos setores e temas, além de se aproximar do ecossistema ágil e inovador que são as startups.

web-summit
Área reservada para as Startups no Web Summit

 

Startups no evento

As 1,490 startups que participaram do Web Summit foram divididas nos programas 135 START (promising startups), 270 BETA (growth-stage track) e 1,080 ALPHA (early-stage track).

Pelo preço de 2000 euros as startups ALPHA tiveram um espaço de uma cabine telefônica, durante um dia do evento com uma placa com o logotipo da startup, uma descrição de 120 caracteres e um mini espaço para colocar um computador.

Apesar de decepcionada com esse conceito pay to pitch (pagar para fazer o pitch), durante minha visita tive um convite do Web Summit para iniciar um trabalho de mentoring para 4 startups muito bacanas:

Arma tu vaca

A startup Arma tu vaca, criada por 2 jovens colombianos ultra simpáticos, Pedro Gaviria Cortés e Pablo Durán Restrepo (CFO), que tem como propósito ajudar os grupos de amigos organizarem uma vaquinha. O grande diferencial dessa startup é que ela é apoiada por um grupo francês que é especialista nesse segmento e tem uma tecnologia que já é líder no mercado. O projeto foi lançado durante o Web Summit e tem pretensões de se expandir para o Brasil nos próximos meses.
Batmaid

A startup suíça Batmaid, criada por Eric Laudet pretende ser o “Uber” para serviços de limpeza domésticos. O serviço já está nas principais cidades na Suíça.

 

GoWifi

Com o mote “imagine having a detailed vision of your clients” a startup portuguesa, representada pelo COO & surfista Tiago Cortez, disponibiliza Wi-Fi gratuito e capta dados a partir do uso da ferramenta pelos internautas. A startup busca contrato com as operadoras para viabilizar o serviço que visa ajudar as marcas a entender o life style dos usuários graças aos algoritmos criados pelo uso da rede.

A GoWifi já possui mais de 10 clientes e busca investidores e expansão internacional.

 

New Shifts

A New Shifts foi criada por Ayse Zeynep e Marco Fabbrizio, um casal turco-italiano, que se conheceu durante um MBA na London Business School no Qatar.

O projeto, que é o meu preferido, tem o propósito de apoiar os desejos de mudança de carreira graças a uma plataforma que facilita a colaboração entre pequenas e medias empresas e profissionais que estão a procura de um trabalho temporário em uma nova função, industria ou país.

 

Kubo Robot – Startup vencedora

Kubo Robot, foi a grande vencedora do concurso de startups da primeira edição lisboeta do Web Summit. Essa startup dinamarquesa traz uma solução pedagógica graças a um robô que ensina as crianças na arte de escrever código. A Kubo volta para casa com 100 mil euros de financiamento.

 

Bolha

Esse ano estive nos três principais eventos de tecnologia na Europa: Web Summit, DMEXCO e Mobile World Congress. A impressão que fica é que existe uma bolha. Não há mercado para tanta empresa e sabemos que a grande maioria das startups não tem fôlego para mais de 2 ou 3 anos de vida. Fica nítido a clivagem entre aqueles que se aproveitam da revolução digital e o resto do mundo. O ecossistema de startups gera empregos, centenas de espaços de co-working, plataformas e uma nova maneira nômade-digital-internacional de se viver, mas certamente essa bolha vai estourar em alguns países. Na Índia já estourou oficialmente, mas isso não é necessariamente ruim, para Abhishek Gupta, diretor de operações da incubadora TLabs, “o que eu vejo agora é dinheiro sendo bem gasto “.

Fica a minha aposta no movimento das “corporate ventures” que estão incubando as startups e ganhando vantagens e rapidez para inovar.  Muitos bancos e marcas já têm projetos nesse sentido, e na minha humilde visão é o único caminho sustentável pra industria da tecnologia.

Karina Tavares

é Publicitária com pós-graduação em Relações Públicas na USP e mestrado em Sociologia das Sociedades Contemporâneas na Sorbonne. Karina trabalhou em agências, empresas multinacionais e startups. Nasceu em São Paulo, morou nos EUA e hoje mora em Paris e atua como gerente de negócios na NUMA, a mais importante incubadora Francesa.

Comentários

PUBLICIDADE