Artigos

Black Friday: 8 dicas para arrasar nas vendas

Estudos especulam um crescimento ainda maior para a Black Friday 2018, visto que as empresas têm apresentado novas estratégias de vendas e divulgação dos seus produtos

 

Braço de uma mulher que veste uma camisa preta e segura uma sacola de papelão na mão. Na sacola está escrito black friday em letras pretas.

Estamos às vésperas da Black Friday! O termo tornou-se tão popular, que é uma das datas mais aguardadas do ano tanto para os consumidores como para os varejistas. Aos que gostam de um pouco de história, a Black Friday surgiu nos Estados Unidos, sem um marco exato para a criação da data. Há quem diga que a expressão nasceu no final do século XIX, após duas instituições financeiras terem quebrado no mesmo dia, em plena corrida do ouro, coincidindo de ser em uma sexta-feira, o que não tem nada a ver com as promoções que nós adoramos.

O conceito chegou no Brasil em 2010, como um evento exclusivamente online. Com o passar dos anos, evoluiu também para as lojas físicas e, hoje, é praticamente uma febre no País. Em números reais, no ano de 2017 tivemos um crescimento de 16% nas vendas, se comparado a 2016 com uma movimentação nas lojas virtuais de 2,48 bilhões de reais. É muito dinheiro né?

E, tem mais! Estudos especulam um crescimento ainda maior para a Black Friday 2018, visto que as empresas têm apresentado novas estratégias de vendas e divulgação dos seus produtos. Você também quer incluir sua marca neste grupo? Quer arrasar nas vendas de 2018? Então preste atenção nestas oito dicas:

1 – Evite burocracia  

Um dos principais motivos do sucesso das vendas online é a busca por agilidade. Quando o cliente encontra vários empecilhos para realizar uma compra (mesmo com um precinho camarada), a probabilidade de ele desistir da compra é muito grande! Para evitar esse desfecho, na hora em que seu cliente for finalizar a compra, é necessário que você simplifique ao máximo as informações solicitadas em seus formulários, fazendo com que a compra seja efetuada de maneira rápida e satisfatória. Pesquise sobre qual tipo de formulário de cadastro se adequa melhor ao seu negócio. Leve em conta a taxa de conversão. Você não precisa saber o estado civil do cliente, se ele estiver comprando uma blusa. Também não há a necessidade de pedir o endereço, caso ele opte por retirar o produto na loja. Com isso, já são dois campos a menos para ele preencher. Uma boa dica é a compra com um click, que facilita e acelera o processo, melhorando a experiência do cliente.

 

2 – Abuse da criatividade e personalização

Trazer mais do mesmo não chama tanto a atenção quanto propostas criativas e inovadoras. No período anterior à Black Friday e nos outros dias do ano, estude a sua base. Utilize todos os dados disponíveis para enviar um conteúdo personalizado para seu cliente. Ofereça somente aquilo que ele realmente quer receber. Além da personalização, a criatividade também é uma boa maneira de conquistar novos clientes. Apresentar novidades fará com que sua empresa se destaque entre as demais. Um dos grandes exemplos de criatividade foi a campanha feita por uma grande empresa brasileira do segmento de varejo. Nela, o cliente comprava um voucher no valor escolhido e não sabia qual produto iria receber. Isso mostrou a confiança dos clientes na marca e os produtos entregues acabaram superando as expectativas de quem os recebeu e até de quem não participou da promoção. Foi um sucesso de vendas e a marca ainda fortaleceu sua imagem. Outros bons exemplos a serem observados são: colocar o percentual de desconto no final da compra, oferecer descontos progressivos ou alterar a taxa dele de acordo com a quantidade de compras feitas. Algumas marcas têm ainda criado uma identidade própria da sua empresa com a data, como por exemplo: Pink Friday, Gold Friday, entre outros.

 

3 – Tenha atenção à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)

Talvez você esteja se perguntando: “Mas a lei de proteção de dados no Brasil ainda não entrou em vigor, então por que devo me preocupar?”. A resposta é simples. O Brasil já possui mais de 40 leis que, de alguma forma, abordam a proteção de dados e a privacidade em geral. Você não deve esperar a LGPD entrar em vigor para começar a adequar seu programa de e-mail. Outro motivo é a existência do GDPR (General Data Protection Regulation), lei de proteção de dados da Europa, que pode punir empresas, inclusive as que estão baseadas no Brasil. Com relação às leis brasileiras, a LGPD  complementa todas as já existentes, com o objetivo de consolidar toda a segurança com relação a dados.Então, não se apoie apenas no opt-in. Informe de maneira clara e detalhada ao cliente de que forma os dados dele podem ser utilizados, como eles ficam armazenados, por quanto tempo os guardam e com quem compartilham. Garanta a transparência e o direito de acesso a essas informações, de maneira clara e simples. A multa para o descumprimento da LGPD, que deve entrar em vigor em fevereiro de 2020, é de 2% do faturamento do ano anterior ou até mesmo o bloqueio dos dados pessoais tratados, até a regularização do mesmo.

 

4- Estabeleça um plano de contingência

Dentre as reclamações dos consumidores no período de Black Friday, as que mais se destacam são: site fora do ar; e falta do produto no momento da finalização da compra. As duas situações causam um estresse muito grande para o cliente e consequente desgaste na relação dele com a marca. E, isso pode gerar prejuízos para o negócio. Esteja preparado para um fluxo maior de consumidores neste dia. Estudos indicam que a melhor momento de comunicação com o consumidor na Black Friday é na própria data. Se o seu site ou estoque não corresponderem às expectativas dos clientes, você terá uma grande chance de perdê-los. Você não quer isso, certo? Então, trabalhar com ferramentas que possam te auxiliar durante esse processo pode ser uma das suas grandes vantagens diante da concorrência. Um belo exemplo são as empresas que trabalham com atualização de campanhas de e-mail marketing em tempo real, personalizando instantaneamente as mensagens com qualquer dado, de qualquer sistema, tudo no momento em que um assinante abre seu e-mail, informando que o produto já esgotou ou até mesmo, trocando a oferta assim que o estoque de determinado produto acabar.

 

5 – Não compre listas de e-mails

Na avaliação dos provedores, é um sinal muito ruim quando a mensagem de uma marca é classificada pelo destinatário como spam. Então, só envie campanhas de e-mail para pessoas que realmente manifestaram desejo de receber mensagens da sua marca. Não compre listas. E, após o primeiro contato, alinhe as expectativas do cliente sobre o que ele receberá e com qual frequência. É importante, inclusive, que o botão de descadastro seja de fácil acesso.

 

6 – Acompanhe a reputação da marca diante dos provedores 

De acordo com o Sender Score Benchmark Report da Return Path, os remetentes mais bem avaliados pelos provedores chegam a alcançar taxa de colocação na caixa de entrada de até 91%. Por essa razão, é muito importante ficar de olho na reputação da sua marca. É possível fazer isso pelo Sender Score.

 

7 – Entregar na caixa de entrada não é o suficiente 

Aqui na Return Path, costumamos dizer que “o engajamento é a nova entregabilidade”. Ou seja, não tem sucesso a marca que apenas acessa a caixa de entrada do cliente. Esse é um passo importante, claro! Mas, os provedores estão de olho nas métricas ocultas de entregabilidade de e-mail. Isso quer dizer que você pode ter insights interessantes sobre campanhas se acompanhar os índices de entrega em pasta de spam, leitura, exclusão sem leitura, resposta, encaminhamento, reclamação e marcação como spam.

 

8 – Dê adeus ao no-reply 

O histórico de engajamento do usuário com as suas mensagens é um dos principais KPIs utilizados pelos provedores no momento da decisão de filtragem para a caixa de spam. Então, considere abandonar o hábito de enviar campanhas a partir de e-mails como no-reply@[dominio].com. No lugar disso, estimule a interação com seus clientes. Inclusive, eles devem ser estimulados a responder as mensagens e compartilhar os conteúdos.

A rotina dos profissionais de e-commerce se resume a pular de data em data à procura das melhores maneiras de chegar até o cliente final. Constantemente eles se perguntam sobre qual promoção fazer neste mês, como melhorar o relacionamento com o cliente ou qual é a mágica para aumentar a taxa de conversão.

As dicas deste artigo são aplicáveis à Black Friday, que já está logo ali, no dia 23 de novembro, mas, também valem para os demais dias do ano. Investir na melhor experiência do consumidor tende a garantir a maior satisfação dele e, consequentemente, o sucesso das suas vendas em todas as datas sazonais. Esse é o melhor caminho para que você atinja suas metas e cresça ainda mais no ano seguinte.

Camila Nascimento

Formada em Comércio Exterior pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Atua na área de e-mail desde 2016.

Comentários

PUBLICIDADE