Artigos

Inteligência Artificial e Experiência Natural: quem vem antes?

Todos querem entrar nesse novo mundo, onde tecnologias como a inteligência artificial estão presentes, mas poucos se perguntam os seus motivos e suas razões reais para fazer isso

 

Imagem. Cabeça de um robô branco. Aparece apenas o rosto e o pescoço. O robô está do lado direito da imagem e de perfil olha para a direita. A parte de trás da sua cabeça está se desfazendo.

Cada vez mais marcas, mercados e negócios se mostram preocupados com as novas tecnologias e buscam entender como a velocidade da transformação impacta seus resultados e modelos.

Os termos do momento – Omnishoppers, Omnichannel, Big Data, etc – vêm tirando o sono de muitos profissionais e gerando uma sensação de desconforto e ansiedade. Será que temos a estratégia certa de inovação? Será que a transformação digital está atrasada? Por onde devo começar? Será que minha empresa está culturalmente preparada para se transformar?

Muitas vezes, em trabalhos e conversas que temos com profissionais de empresas de diferentes segmentos e portes, nos deparamos com o desejo de pertencimento. Todos querem entrar nesse novo mundo, mas poucos se perguntam os seus motivos e as suas razões reais.

Um bom exemplo de como a experiência humana assume o papel de protagonista na transformação digital está no estudo que a PwC realizou sobre casas conectadas, denominado Smart homes, seamless life.”.

Apesar de ser um mercado muito novo, o potencial de crescimento e oportunidades das casas inteligentes são extremamente promissores justamente porque as motivações humanas que geram a demanda e o desejo são basicamente as mesmas desde que o primeiro homem teve a ideia de cercar um terreno para chamar de lar.

Neste estudo, destacamos dois insights que comprovam o protagonismo da experiência humana:

As motivações para se adotar soluções de casas inteligentes são atemporais. Entre os participantes da pesquisa, as principais razões de adesão aos dispositivos de Smart Homes são: preço (53%), economia (50%), segurança (42%) e conveniência (38%).

A simplicidade é a melhor forma de se controlar uma casa. Adequar o controle dos dispositivos de casas inteligentes aos hábitos do consumidor e aos devices que ele está acostumado a usar é fundamental. Do total de consumidores de casas inteligentes entrevistados, 74% dizem usar seu dispositivo para casa inteligente com mais frequência porque ele se conecta com o seu smartphone.

Dentro desse contexto complexo, acabamos nos esquecendo de responder a perguntas mais básicas: será que a transformação está em harmonia com os desejos e com as experiências humanas? Como essas experiências se conectam com minha marca?

Responder a perguntas básicas pode levar a soluções inovadoras e criativas sem nos desviar do foco no que realmente importa: o ser humano.

Renato Sapiro

Com mais de 25 anos de experiência em agências de comunicação locais e multinacionais, Renato sempre teve como foco a integração das diversas disciplinas com destaque para construção de marca, desenvolvimento de campanhas de propaganda e marketing de relacionamento. Desde marco de 2017 se juntou a PwC Digital atuando como Diretor de Estratégia Digital e Customer Experience.

Comentários

PUBLICIDADE