Menu

Notícias

Qual é a estratégia da marca mais valiosa do mundo?

Amazon ultrapassou a Apple e se tornou a marca mais valiosa do mundo em junho, segundo a BrandZTM 2019

 

Por Gabriel Dias*

Ser a marca mais valiosa do mundo é o objetivo de qualquer grande, pequena e média empresa. Chegar ao topo do mercado traz relevância para os negócios e muita curiosidade sobre as estratégias utilizadas para alcançar o super status. A Amazon chegou no primeiro lugar do ranking das empresas com o lema: sempre é o primeiro dia.

O Diretor de Varejo da Amazon, Daniel Mazini, explicou a visão de Jeff Bezos que segue como uma filosofia para cada colaborador da gigante do comércio eletrônico, no Fórum E-Commerce Brasil 2019. Mazini revelou que os colaboradores devem focar no cliente e não no concorrente, assim, planejar e inventar benefícios que são necessidades do cliente e não tentar copiar ações dos adversários.

“Começamos pelo cliente e trabalhamos a partir do que ele precisa”, Jeff Bezos.

A Amazon aumentou em 12 vezes a receita nos últimos 10 anos. Mazini contou que isso se deve ao lema do “Day One” e procurar sempre satisfazer o cliente. “É um ciclo virtuoso que começa com o cliente encontrando tudo que precisa na Amazon: valor, catálogo e conveniência”, disse Daniel Mazini.

 

 

Com essa satisfação dos consumidores, o “ciclo” parte para a ótima experiência do cliente, que gera mais visitas. Desta forma, a Amazon ganha mais fornecedores que contribuem para o aumento do catálogo. A marca cresce e ganha aumento de escala, consegue oferecer melhores valores e volta para uma ótima experiência do cliente.

 

O Day One da marca mais valiosa do mundo

Jeff Bezos escreveu uma carta em 1997 para os acionistas explicando que a Amazon seria uma empresa determinada em focar no cliente e que tudo que iriam fazer seria com a visão de longo prazo. “Ao alongar o horizonte de retorno você pode apostar em coisas que não apostaria com visão de curto prazo”, relatou Bezos, em trecho da carta. “Estamos dispostos a plantar sementes e vê-las crescer. Somos teimosos no que acreditamos”, completou.

Essa filosofia de Bezos define o “Day One” na Amazon. Pensar como primeiro dia é focar no longo prazo e não no curto prazo, assim, é possível continuar inovando e criar serviços e produtos melhores para os clientes. Não tomar decisões ruins baseadas em resultados mensais e trimestrais.

“Nós estamos aqui para o longo prazo, nossos funcionários estão trabalhando para construir algo importante, algo que importe para nossos clientes – e isso leva tempo”, Jeff Bezos.

Experimentação e inovação

Daniel Mazini disse que a Amazon é aberta à criatividade e pede para que os colaboradores continuem experimentando e inovando na criação de produtos e serviços. De acordo com o Diretor, o pensamento inovador faz com que os projetos da empresa alcancem números extraordinários.“Alguns grandes sucessos compensam a experimentação. Amazon já gastou bilhões de dólares em projetos sem sucesso, mas fez mais bilhões com os experimentos bem sucedidos”, revelou.

 

 

Mazini contou detalhes de dois experimentos da Amazon que precisaram de tempo e análise para serem sucessos, o Amazon Prime e a Alexa. O serviço prime foi desenvolvido com o pensamento de que seria caro para a empresa no curto prazo, e foi. O Amazon Prime no início gerava grande prejuízo, mas assim que os clientes começaram a aderir o serviço, a inovação tornou-se autossustentável e hoje já ganhou aprimorações com serviços de vídeo, música e até um dia no ano para comemorar a invenção.

Outro experimento que precisou de tempo e análise foi a Amazon Alexa, assistente virtual inteligente. No início da década, a Amazon lançou o próprio celular, o Echo, mas segundo Mazini, o projeto foi um fracasso e atrasado comparado aos rivais do segmento. Com isso, a Amazon decidiu abandonar o Echo, mas ao invés de apenas demitir a equipe que produziu a invenção, a empresa decidiu juntar os responsáveis e propôs uma análise sobre quais funcionalidades do celular poderiam salvar e otimizar.

A equipe responsável pelo Echo concluiu que a assistente do celular era um grande diferencial e decidiu desenvolver a tecnologia. Hoje, a Amazon Alexa é referência em inteligência artificial e se tornou um dos principais projetos da marca mais valiosa do mundo.

 

Decisões de tipo 1 x tipo 2

Como sugere o lema, o sucesso está em trabalhar a mentalidade de primeiro dia e projetar ações ao longo prazo. Isso está completamente relacionado às tomadas de decisões da organização. Escolher decisões de tipo 1 é planejar projetos que geram grandes consequências, são quase irreversíveis, precisam ser tomadas cuidadosamente, necessitam de análise e são extremamente raros.

Decisões tipo 2 são o oposto das de tipo 1. Projetos que precisam de decisões de tipo 2 são a gigantesca maioria e podem ser mudadas ao longo do tempo, o impacto é controlado, são decisões rápidas, indivíduos ou pequenos times podem decidir. Escolher projetos que demandam tempo e análise mudam o patamar de uma empresa.

 

Princípios da liderança

Com o alcance do primeiro lugar no ranking das marcas mais valiosas do mundo, a Amazon virou um exemplo para as empresas que sonham em alcançar o mesmo status. Daniel Mazini disse que para chegar no topo são necessários implementar no DNA da empresa os princípios da liderança, são eles:

  1. Obsessão pelo cliente
  2. Inventar e simplificar
  3. Insistir nos mais altos padrões
  4. Contratar e desenvolver os melhores
  5. Senso de Dono
  6. Pensar Grande
  7. Frugalidade
  8. Estar pronto para agir
  9. Aprender a ser curioso
  10. Mergulhar profundamente
  11. Manter-se firme; Discordar e Assumir o compromisso
  12. Entregar resultados

 

A estratégia da marca mais valiosa do mundo

O Day One transformou a Amazon e o foco no cliente fez com que a empresa inovasse para trazer soluções aos consumidores. Pensar em longo prazo permitiu alcançar resultados. Assim, testar e analisar produtos e serviços voltados para as necessidades dos clientes serviram de estratégia para a marca mais valiosa do mundo chegar ao topo.

*Gabriel Dias é jornalista formado no Centro Universitário de Brasília – UniCEUB. Analista de Comunicação no Digitalks, Gabriel também tem experiência nas áreas de jornalismo político. Trabalhou em agências de comunicação e na Câmara dos Deputados. Gosta de produzir conteúdos digitais e foca no Marketing Digital.

Comentários

PUBLICIDADE