Menu

Notícias

Vídeo vertical é a tendência das campanhas mobile

Segundo estudo da Teads, consumidores expostos ao vídeo vertical são 39% mais suscetíveis à uma opinião favorável da marca anunciada

 

vertical-video

A realidade virtual e os vídeos em 360° estão sendo cada vez mais utilizados como uma alternativa eficiente para divulgar produtos e serviços de uma forma inovadora e criar uma experiência única para o cliente. Muitas dessas campanhas são visualizadas pelos consumidores por meio dos smartphones, por isso, é interessante que as empresas adaptem suas ações para os padrões do mobile.

Nesse contexto, o vídeo vertical tem se destacado no mercado publicitário, não apenas por ser mais fácil de visualizar em dispositivos móveis, mas também em função do crescimento do Snapchat, rede social que incentiva anúncios publicitários nesse formato através do 3V (Vertical Video Views).

Pensando nesse novo modelo de campanhas publicitárias, a Teads, empresa inventora do vídeo outstream, desenvolveu uma plataforma que permite com que as marcas transformem seus vídeos feitos para a TV em vídeos verticais com efeito 360°, para serem exibidos em smartphones com sistema Android e iOS.

Segundo dados de um estudo recente da empresa, o vídeo vertical possui um ad recall 2.9 vezes mais alto que os feitos para a TV. Além disso, os consumidores expostos a esse formato são 39% mais suscetíveis à uma opinião favorável da marca anunciada.

Os consumidores já estão se habituando a esse novo modelo, mas para as empresas a produção desses vídeos não é tão simples, pois, demanda investimentos e recursos de filmagem específicos. Plataformas como a da Teads, capazes de converter vídeos horizontais em verticais, facilitam esse processo.

De acordo com Helen Lin, presidente de investimentos digitais da Publicis Media, esse recurso vai impactar o mercado.

“Agora que é possível facilmente transformar um vídeo para o formato vertical, podemos afirmar que haverá um grande impacto em como as marcas alcançam os consumidores nos aparelhos móveis”, prevê a executiva.

Comentários

PUBLICIDADE