Artigos

WNSM 2017: a minha experiência na Rússia junto de 40 experts de marketing digital de todo o mundo

No final de julho, estive na Rússia, mais precisamente em São Petersburgo a convite da SEMRUSH, para participar do evento White Nights SEMRUSH Meetup 2017. O evento recebeu 40 experts em marketing digital de 16 países com o objetivo de promover a troca de experiência, networking e claro, para ficar por dentro das novidades da ferramenta.

Antes de relatar essa incrível experiência, gostaria de deixar claro que não estou escrevendo este artigo para fazer jabá para a ferramenta, mas sim, para o evento maravilhoso que tive o prazer de participar. Mas não posso deixar de agradecer a toda a equipe da SEMRUSH pela hospitalidade e atenção com todos os participantes, durante os três dias de evento.

Para quem nunca ouviu falar do fenômeno “White Nights”, ele ocorre durante o verão de alguns países do hemisfério norte, como a Rússia. Ao decorrer dos meses de junho, julho e agosto, praticamente não anoitece, daí o nome “White Nights”. Confesso: no primeiro dia foi um pouco difícil de dormir, mesmo com toda a vodka consumida durante o passeio de barco organizado pela equipa da SEMRUSH.

 

O evento

Após uma calorosa recepção da equipe no aeroporto e do traslado até o Hotel Ambassador, nos reunimos para um jantar e foi então que a troca de experiência começou. Sentei-me em uma mesa com um grupo de ingleses e holandeses. Para minha sorte, todos eram CEOs o que me fez sentir em casa, principalmente quando começamos a trocar ideias e vi que estava no mesmo nível que eles.

Um dos tópicos mais abordados foi link building. Para os leigos, técnica de SEO que visa a construção de autoridade de um domínio por meio da conquista de links em outros sites. Até aqui nada de surpreendente, até porque, links externos são o fator de maior peso no algoritmo orgânico do Google.

 

Muito networking e gincanas para integração (ou não)

Na sexta de manhã, o segundo dia do evento, logo na entrada do centro de convenções do Hotel Ambassador, cada participante recebeu uma pulseirinha com cores distintas, a minha foi roxa. Na parte de manhã, assistimos as palestras da equipe de marketing e produtos, onde nos apresentaram as novidades da ferramenta.

Na volta do almoço, fomos separados em grupos de acordo com a cor das pulseirinhas e a gincana começou. Primeiro foi o Google Auto Complete, ou melhor, Google Auto Compete, basicamente os grupos tinham que adivinhar quais termos são sugeridos pelo Google em determinadas buscas. Por exemplo, quais os termos que são sugeridos quando começamos uma busca com “How to ..”.

Logo após o primeiro “joguinho”, houve uma rodada de feedback com os product owners de cada uma das funcionalidades da ferramenta. Isso foi bem interessante, pois foi possível passar vários feedbacks de melhorias que gostaríamos de ver na ferramenta e também ficar sabendo, em primeira mão, das novidades quem vem por aí.

Mas como dizem “eu nunca fiz amigo bebendo leite”, foi no bar onde tive as conversas mais interessantes e técnicas de todo o evento.

Dentre as várias conversas que tive, destaco duas delas: uma com Arnout Hellemans, que passou alguns macetes bem interessantes sobre a implementação de dados estruturados via J-SON LD e compartilhou comigo um buscador voltado para códigos fontes o NerdyData, cujo slogan já diz tudo:

“It’s like doing CTRL+F on millions of websites’ source code”

Outra conversa bastante interessante que tive foi com uma SEO inglesa, Dawn Anderson, uma das maiores autoridades em Crawl Optimisation. Ela ‘só’ estava saindo de lá para ir para Seattle palestrar na MozCon sobre o tema.

Crawl optimisation é uma das técnicas mais avançada de SEO, basicamente consiste em compreender o comportamento do bot quando ele está rastreando um site por meio da análise dos logs do servidor. Técnica extremamente importante para sites com milhares de páginas como portais de notícias e grande e-commerces, tipo Amazon.com.

Compreender o comportamento do bot e otimizar o rastreamento pode fazer toda a diferença para esses tipos de sites. Esqueçam aquele conceito de que quanto mais páginas indexadas melhor.

 

Almoço, mais joguinhos e Pub Crawl para fechar

No sábado, último dia de evento, fomos levados para um tour por São Petersburgo, depois para um almoço em um restaurante flutuante no rio Neva. Após o almoço houve mais uma gincana, dessa vez tinha que adivinhar qual palavra tinha mais volume de busca. Você sabia que Melania Trump (2.74M) tem mais volume de buscas que Cat (1.22M)?

Para fechar o evento e a gincana, nos levaram para a rua dos bares para fazer um Pub Crawl, onde em cada bar éramos recebidos por membros da equipe que nos faziam perguntas sobre a Rússia e nos davam shots das mais variadas bebidas. Fomos de bar em bar até chegar ao último, onde aconteceu a festa de encerramento do evento.

Em linhas gerais, o evento foi fantástico, mas o que mais me marcou foi que nós, SEOs e Marqueteiros Digitais, em geral, não devemos nada para o pessoal lá. Estamos no mesmo nível de profissionais de marketing digital de mercados considerados muito mais evoluídos que o nossos, como Austrália, Reino Unido e Estados Unidos.

Felipe Bazon, from Russia with Love.

CSO na agência de Marketing Digital Hedgehog Digital. Desde 2015 listado entre os top 3 SEOs do Brasil, tendo ganho o prêmio no mesmo ano. Há mais de 10 anos apaixonado por SEO, Content Marketing e Marketing Digital em geral. Já liderou mais de 100 projetos de SEO e Content Marketing em empresas no Brasil, Reino Unido e Europa.

Comentários

PUBLICIDADE