Artigos

Squads virtuais: em busca da performance perfeita

A partir de squads virtuais, podemos promover a transformação digital com mais velocidade e interação entre as equipes de trabalho, com todos envolvidos em suas funções

 

Se tem um aprendizado que tivemos nos últimos meses é o de que tudo tem se transformado. A pandemia mundial aumentou a volatilidade e as organizações têm que transitar de forma cada vez mais acelerada nessa nova realidade.

A dinâmica tradicional de trabalho nos levou agora para um mundo 100% digital. Porém, como se adequar a este atual modelo, sem perder a produtividade, a visibilidade e a eficiência nas atividades das equipes?

Quando pensamos em um projeto de negócios, a agilidade 5.0 é um componente primordial para equipes setorizadas ou times no mesmo ambiente físico, em que nesse contexto o método mais eficiente de interação é o face to face.

Neste contexto, os dias de hoje apontam para uma real capacidade de gerar análise, adaptação e transparência, ainda que os integrantes da equipe estejam trabalhando remotamente. O desafio adicional de atuar de maneira remota mostra a necessidade de maior disciplina e uso de ferramentas que permitam uma dinâmica bastante integrada, mesmo que à distância, para manter um ciclo de produção de alto valor.

Essa precisão nos leva a conhecer e adotar os chamados squads virtuais para atender a gestão de negócios dos clientes, sempre com foco em resultados bem-sucedidos. Essa tendência empresarial, mesmo após a crise, mostra às empresas o quanto se tornarão competitivas, versáteis e fortes no mercado ao adotar soluções dessa natureza.

O gerenciamento à distância, além da aplicação de maior disciplina, requer um adequado modelo de gestão que possa suprir a falta das interações presenciais ao incluir efetividade, indicadores de performance e incentivos usados no formato com pessoas que trabalham no mesmo ambiente físico. Não há diferença, muda apenas a forma de acompanhar e gerir. E os resultados tão efetivos aparecem.

Os squads são grupos multidisciplinares que envolvem profissionais de alta performance e cross funcionais de tecnologia, user experience (UX), produtos e marketing, que se unem em um mix de abordagens ágeis (Scrum e DevOps,) e criativas (Design Thinking e Lean Startup), com o objetivo de pensar, desenvolver e implementar uma solução digital com visão de MVPs incrementais (Produtos Mínimos Viáveis), com foco em resultados de negócios e com respostas rápidas baseadas em analytics.

Com um modelo de gestão de equipes ágeis remotas, é possivel ampliar as fronteiras dos colaboradores, captando talento em qualquer local do mundo, levando em conta as vantagens do trabalho em equipe a partir das facilidades de novas tecnologias e metodologias de gestão Agile.

O framework à distância tem a capacidade de acompanhar os clientes em toda a execução do ciclo de vida do produto, desde o design estratégico e inovador, até a execução e implantação da solução. Tudo isso permeado por um programa de troca organizacional que possibilita gerar governança nos resultados, prestação de contas e envolvimento de todos os stakeholders.

A partir de squads virtuais, podemos promover a transformação digital com mais velocidade e interação entre as equipes de trabalho, com todos envolvidos em suas funções. São profissionais que atuam com autonomia, definindo prioridades, com uma estrutura mais orgânica, com apurado senso de auto-organização, mas sempre alinhados com a estratégia das organizações e dos projetos. É com transparência, eficiência, fácil adaptação e alto valor agregado, que conseguimos atuar de forma efetiva e com versatilidade para atingir os melhores resultados.

Mary Alejandra Ballesta

Diretora Global de Innovation & Digital Business da Stefanini Brasil.

Comentários

PUBLICIDADE