Artigos

Como combater as fake news?

Pesquisa inédita realizada pelo Opinion Box em parceria com o Digitalks mostra como os brasileiros lidam com as fake news no dia a dia

 

O tema das fake news tem sido motivo de discussão em diferentes esferas. Governos, veículos de comunicação e grandes empresas estão debatendo o tema em profundidade, tentando encontrar formas de combater a disseminação das notícias falsas.

Recentemente, por exemplo, a Justiça do Rio de Janeiro determinou que o Facebook e o YouTube tirassem do ar todos as postagens com fake news contra a vereadora Marielle Franco.

Mas será que os leitores estão preocupados com o tema? Esta é uma pergunta importante a ser feita. Por isso, o Opinion Box e o Digitalks fizeram uma pesquisa inédita para entender se os internautas brasileiros estão preocupados com fake news e como se comportam diante dela.

Os resultados da pesquisa foram apresentados na Conferência: Content 2018 pelo Felipe Schepers, COO do Opinion Box, e debatidos por especialistas do mercado.

 

Compartilhamento de fake news

É interessante notar que 37% dos entrevistados contaram que já publicaram um conteúdo nas redes sociais ou no WhatsApp e depois descobriram que se tratava de uma notícia falsa. Desses, 57% apagaram o conteúdo e 29% desmentiram a informação.

Além disso, 79% já perceberam que algum amigo ou parente havia compartilhado uma notícia falsa em sua timeline. Desses, 46% avisaram a pessoa em particular, 38% comentaram na própria publicação e 15% não fizeram nada.

Chama a atenção que 8% admitiram que já compartilharam fake news intencionalmente. As principais justificativas, nesses casos, é que os usuários acharam o conteúdo engraçado, gostariam que fosse verdade ou não tinham certeza absoluta se era mesmo falso.

 

Confiança nos meios de informação

Um dado curioso da pesquisa é que 33% dos entrevistados acreditam que as redes sociais têm mais notícias falsas do que verdadeiras e 62% concordam que a internet contribui para espalhar informações falsas. Por outro lado, 76% utilizam sites, portais e blogs para ler e acompanhar notícias, e 74% usam as redes sociais.

O meio de comunicação considerado o mais confiável pelos internautas é a TV. 6 em cada 10 entrevistados confiam nas informações recebidas pelos canais de televisão, e 57% confiam nos jornais. 31% confiam nas notícias de sites, blogs e portais, e apenas 16% confiam nas informações provenientes das redes sociais.

Os dados revelam uma baixa confiança nos meios, de uma forma geral. Por isso, é dever dos veículos de comunicação não só combater as fake news, mas também resgatar a confiança dos seus leitores e espectadores.

Da mesma forma, empresas que têm papel importante no compartilhamento de conteúdo, como as redes sociais e o próprio Google, também precisam ter mecanismos de checagem de informações.

 

Como combater as fake news?

Na pesquisa, identificamos que a opinião dos entrevistados se divide em relação a quem é o responsável pela verificação da veracidade de uma informação. 30% acham que a responsabilidade é do próprio usuário que compartilha a notícia. 28% acham que é do veículo que publica e 25% acham que é das redes sociais onde as notícias são publicadas.

A verdade é que a responsabilidade é de todos. Os veículos de comunicação precisam estancar a produção de notícias falsas. As redes sociais e outras empresas precisam detectar formas de inibir a propagação dessas notícias em grande escala. Os órgãos públicos precisam fiscalizar e punir os responsáveis pelas fake news. E os usuários precisam ter senso crítico para identificar as fake news que chegam até eles e contestá-las.

Este senso crítico, no entanto, deve ser incentivado pelas empresas, veículos e governos. É possível identificar uma série de ações e discussões que estão sendo feitas em torno do tema, desde legislações até a adoção de novas tecnologias, como inteligência artificial e ferramentas de big data analytics. Mas ainda falta ampliar o engajamento deste último elo da cadeia, que é o usuário.

Quando se fala em combate à fake news, é preciso ter em mente que se trata sim de uma batalha. Quem cria e dissemina conteúdos falsos tem intenções perversas por trás, sejam financeiras, políticas ou de difamação. E isso deve ser combatido.

Por isso, enquanto a questão das fake news não for encarada como uma epidemia ou uma crise nacional que merece a atenção de todos, será muito difícil vencer essa batalha.

 

Quer saber mais sobre fake news? Então dê uma lida nos conteúdos a seguir:

>> Fake news: um vislumbre do cenário brasileiro

>> Idec e outras 28 entidades lançam manifesto contra proposta do Congresso para combater fake news

>> Fake News e Post-Truth: como as empresas e marcas podem lidar

 

Daniela Schermann

Daniela Schermann é líder de marketing do Opinion Box, especialista em Inbound Marketing e apaixonada por pesquisa de mercado e comportamento do consumidor.

Comentários

PUBLICIDADE