Artigos

A Quarta Revolução Industrial em imagens

por:

A Quarta Revolução Industrial chegou e está mudando a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos

 

O que é a Quarta Revolução Industrial? Além disso, como podemos visualizar essa nova era de inovação em imagens? Explore as tecnologias emergentes que impulsionam a Indústria 4.0 para descobrir.

Avanços rápidos em inteligência artificial e robótica – junto com conectividade onipresente e poder de processamento expansivo e facilmente acessível – estão preparando as bases para mudanças estruturais fundamentais em nossa economia global. E, tudo isso está acontecendo em um ritmo acelerado sem precedentes. 

O que levanta a questão: como o futuro da Quarta Revolução Industrial se parece? Ilustradores, designers e fotógrafos estão posicionados para estar na vanguarda da visualização desta nova era desconhecida. E, ainda que nos sintamos pressionados a ver inovações que sequer podemos começar a compreender, as tecnologias inovadoras que alimentam essa mudança podem servir como uma previsão para o futuro.

 

Quarta Revolução IndustrialOs criadores visuais desempenham um papel fundamental na exibição da Quarta Revolução Industrial. Imagem via Visual Generation – na Shutterstock.

Da inteligência artificial à Internet das Coisas, olhamos as tecnologias que estão liderando a Indústria 4.0 e como essas tecnologias estão sendo visualizadas para representar esta nova era em imagens.

 

O que é a Quarta Revolução Industrial e como ela recebeu esse nome?

 

Indústria 4.0Uma tempestade perfeita de tecnologias está abrindo caminho para mudanças transformadoras na forma em que trabalhamos, vivemos e socializamos. Imagem via wanpatsorn – na Shutterstock.

Para simplificar, o termo Quarta Revolução Industrial descreve a quarta grande mudança na maneira como os humanos produzem bens e serviços. Embora a Indústria 4.0 (ou 4RI ​​para abreviar) esteja destinada a transformar a sociedade como nunca antes, ela se baseia nas fundações expostas pelos três predecessores da revolução industrial. 

  • A Primeira Revolução Industrial marcou uma mudança da produção manual para a produção mecânica com o advento da água e da energia a vapor;
  • A Segunda Revolução Industrial nos trouxe eletricidade, gás e petróleo para criar a produção em massa;
  • A Terceira Revolução Industrial utilizou a eletrônica e a tecnologia da informação para automatizar a produção.

 

Partimos então para a Quarta Revolução Industrial – um termo cunhado por Klaus Schwab do Fórum Econômico Mundial (WEF) e autor de A Quarta Revolução Industrial. Refere-se a esta nova era de mudança generalizada, por meio da qual o homem e a máquina se integram ainda mais. As capacidades dos humanos são aprimoradas pela engenharia genética, tecnologia vestível e implantável, e máquinas que adquirem características humanas e capacidades cognitivas. O WEF chama esse casamento de tecnologias físicas e digitais avançadas de “sistemas ciberfísicos”.

 

As tecnologias que impulsionam a quarta revolução industrial e como são representadas nas imagens

Como profissionais visuais, a maneira mais eficaz de visualizar a Quarta Revolução Industrial em imagens é nos familiarizarmos com as tecnologias que estão impulsionando essa mudança. Estar informado pode nos preparar melhor para criar e usar imagens que representem com precisão as inovações tecnológicas de hoje e do futuro. Abaixo, fornecemos algumas das principais tecnologias que estão impulsionando essa nova era de inovação na velocidade da luz.

 

Inteligência artificial

Vamos começar com uma das tecnologias mais importantes que impulsionam a Quarta Revolução Industrial. A Inteligência Artificial (IA) é um ramo amplo da ciência da computação, preocupado com a construção de máquinas inteligentes que normalmente requerem inteligência humana. A IA possibilita que as máquinas aprendam com as experiências, se ajustem a novos processos e realizem tarefas semelhantes às humanas. 

Embora não seja uma novidade – os primeiros trabalhos na IA moderna começaram na década de 1950 – o surgimento de um poder de computação extremamente poderoso e facilmente acessível acelerou o desenvolvimento da Inteligência Artificial ​​de forma exponencial. 

Quando em 1950, ​​Alan Turing, teórico da IA, perguntou “as máquinas podem pensar?” parecia uma ideia estranha. Contudo, com avanço rápido de mais de 70 anos, a IA pode hoje operar carros autônomos, voar drones, detectar doenças, combater as mudanças climáticas, traduzir idiomas, identificar rostos, emoções e o que queremos comprar a seguir. A IA está em toda parte e não estamos nem arranhando a superfície. 

Existem inúmeras maneiras de visualizar a IA – e algumas erram o alvo. Os romances de Hollywood e de ficção científica geralmente retratam a IA como robôs semelhantes aos humanos que dominarão o mundo. Da mesma forma, a mídia usa imagens assustadoras  para representar a IA. Os pesquisadores dizem que essas representações apenas contribuem para o sensacionalismo desse tópico crítico, ao mesmo tempo que fazem pouco para desmistificar a Inteligência Artificial ou ajudar o público a entender seu impacto potencial. 

Há uma necessidade real de um conjunto mais amplo e inclusivo de referências visuais para IA, e os profissionais visuais são essenciais para fornecer essas representações. A iconografia e os infográficos permitem que nos envolvamos efetivamente com as comunidades por meio de uma linguagem visual onipresente – que pode ser entendida através de linguagens e barreiras culturais, e simplifica a comunicação. Os ícones tornam possível comunicar conceitos-chave em IA sem depender de metáforas vagas como relâmpagos e robôs. 

 

Inteligência Artificial e Machine LearningNa era da Quarta Revolução Industrial, o rápido desenvolvimento da inteligência artificial produziu enormes impactos na sociedade humana. Imagens via VORTEX (esquerda) e elenabsl (direita) – na Shutterstock.

 

Realidade Virtual e Realidade Aumentada

Frequentemente, os termos realidade virtual (ou VR, de Virtual Reality) e realidade aumentada (ou AR, de Augmented Reality) são erroneamente usados ​​como sinônimos. Ambos estão mudando a maneira como usamos as telas, têm o mesmo som e costumam ser usados ​​juntos. Mas, apesar de suas semelhanças, cada tecnologia é distintamente diferente. 

A VR oferece uma experiência de realidade virtual imersiva (usando um fone de ouvido de VR) que simula o mundo real. Por outro lado, a AR aproxima os mundos físico e digital, sobrepondo informações e objetos virtuais em um ambiente do mundo real em tempo real. Ambos são considerados ferramentas valiosas para melhorar e acelerar o desenvolvimento de produtos e processos em muitos setores.

Existem várias maneiras de como as tecnologias VR e AR estão sendo utilizadas hoje, ao mesmo tempo que abrem uma grande variedade de possibilidades incríveis. Por exemplo, o aplicativo Virtual Makeup da L’Oréal usa AR para permitir que os clientes “experimentem antes de comprar”. O Google Translate utiliza AR para que os usuários possam traduzir textos instantaneamente apontando a câmera em seus telefones. Enquanto isso, a VR é usada para criar experiências de treinamento imersivas, ajudando a treinar funcionários em cenários da vida real, como simulação de voo para pilotos.

Além disso, o potencial para AR e VR é ilimitado. Para AR, um desses usos é fornecer treinamento remoto para trabalhadores virtualmente “transportando” o treinador diretamente para os treinamentos no chão de fábrica. Outro benefício do AR é que os especialistas podem demonstrar como consertar máquinas remotamente. Enquanto isso, AR e VR podem ajudar os trabalhadores a identificarem maneiras de aprimorar os designs de produtos, visualizando protótipos de forma mais realista – e em escala.

Imagens que representam a aplicação de AR e VR em todos os setores ajudam o público a entender como isso funciona em cenários do mundo real, ao mesmo tempo que demonstra como pode melhorar as operações de negócios, aprimorar experiências e simplificar nossas vidas.

 

Realidade Aumentada na IndustriaEmbora muitas vezes confundidas, a realidade aumentada e a realidade virtual são duas tecnologias distintas que estão remodelando nossos setores. Imagens via Gorodenkoff – na Shutterstock.

A Internet das Coisas (IoT)

A Internet das Coisas (em inglês: Internet of Things, IoT) é outra palavra da moda frequentemente usada quando se fala sobre novas tecnologias na indústria. Para simplificar, a IoT descreve uma rede global de itens de computação do dia a dia – ou coisas – que são incorporados com sensores, software e outras tecnologias com a finalidade de coletar e trocar dados pela Internet. Esses dispositivos inter-relacionados variam de utensílios domésticos comuns a ferramentas industriais sofisticadas. Os dispositivos IoT podem ser qualquer coisa, desde wearables médicos que monitoram a condição do usuário até sensores IoT que os agricultores inserem nos campos para monitorar os atributos do solo que informam as decisões, como quando fertilizar.

Esses dispositivos coletam enormes quantidades de dados – Big Data – de produtos constantemente conectados, e as empresas estão capitalizando no enorme valor de negócios que esses dados podem oferecer. Ele pode fornecer informações perspicazes sobre como os clientes estão usando os dispositivos, que as empresas podem utilizar para tomar decisões informadas sobre como gerenciam seus negócios.

No final de 2018, havia cerca de 22 bilhões de dispositivos IoT em uso em todo o mundo. Em 2030, as previsões sugerem que esse número será de cerca de 50 bilhões, criando uma enorme rede de dispositivos interconectados em todo o mundo. A natureza digital interconectada dos dispositivos IoT serve como um tema central de design para muitas representações visuais – incorporando redes e ícones interconectados que representam os dispositivos dentro da rede IoT. 

 

Internet das CoisasA Internet das Coisas é uma rede de sensores de bilhões de dispositivos inteligentes que conectam pessoas, sistemas e outros aplicativos para coletar e compartilhar dados. Imagens via your, ex_artist e Andrey Suslov – na Shutterstock.

 

Robótica

A robótica é onde a ciência, a engenharia e a tecnologia se encontram, produzindo máquinas que substituem (ou imitam) as ações humanas. Os robôs revolucionaram o mundo em duas fases. A primeira fase viu os robôs realizarem tarefas monótonas, como construir carros na linha de montagem. A segunda fase introduziu robôs mais sofisticados que realizam tarefas cada vez mais complexas, como combate a incêndios ou cirurgias complexas.

Cada robô exibe diferentes graus de autonomia. Estes vão desde bots controlados por humanos que podem realizar tarefas que os humanos têm controle total até bots autônomos que podem perceber o ambiente e tomar decisões com base no que percebem, sem qualquer influência externa. Um exemplo recente desse último surgiu de um estudo inovador na Europa, no qual os pesquisadores desenvolveram um assistente de robô humanóide autônomo que interage com outros robôs e pode aprender com seus colegas humanos. Em breve, esses mesmos bots desempenharão um papel fundamental em armazéns e centros de distribuição, além de auxiliar em canteiros de obras, fábricas e operações militares. 

Embora a cultura pop nos faça acreditar em robôs humanóides exagerados para se parecerem com o que vemos nos filmes, os robôs são máquinas para fins especiais que se assemelham a diferentes formas e são projetados para aplicações específicas. Olhar além desses estereótipos não apenas fornece uma representação mais precisa do que os robôs são (e se parecem), mas também fornece muitas outras oportunidades criativas. Os robôs estão em Marte, estão aspirando nossas casas, estão construindo nossos carros e estão se movendo como humanos e animais em duas (ou quatro) pernas. Os robôs estão em constante evolução e nossas imagens para representar robôs também têm potencial para evoluir.

 

RobóticaA Quarta Revolução Industrial é a conectividade entre trabalhadores humanos e robôs, aumentando a produtividade geral. Imagens via Triff , Jenson e Phonlamai Photo – na Shutterstock.

 

As inovações do 5G, edge computing e cloud

Os computadores estão mais inteligentes do que nunca. Com o advento das redes sem fio na velocidade da luz, poder de processamento e capacidade de armazenamento sem precedentes, estamos processando grandes quantidades de dados – e rapidamente. 

A nuvem torna possível armazenar e recuperar com segurança quantidades ilimitadas de dados pessoais de qualquer lugar com acesso à Internet. Enquanto isso, a edge computing está transformando a forma como os dados são tratados – resolvendo o problema de latência e ineficiência que pode, às vezes, ser crítico. Em vez de enviar dados para a nuvem e trazer de volta – que podem estar a milhares de quilômetros de distância – a edge computing torna possível que a computação e o processamento sejam feitos no próprio dispositivo ou em um local próximo. 

Dados rápidos significam informações em tempo real, o que é vital para a segurança durante cirurgias assistidas por robô e ao operar carros autônomos. Quando emparelhado com a rede 5G – que promete aumentar as velocidades em até dez vezes mais do que a 4G – a edge computing oferece um futuro de conexões quase em tempo real para a frente e para trás.  

As imagens que incorporam a ilusão de movimento evocam a velocidade rápida com que os dados estão sendo transferidos, bem como as redes sem fio da próxima geração. Enquanto isso, incorporar a ilusão de infinito no design serve como um aceno para os recursos de armazenamento ilimitados da nuvem. 

 

Edge Computing, 5G e CloudRepresentações visuais de “infinito” e “movimento” são temas centrais em imagens usadas para apresentar as redes sem fio ultra rápidas, poder de processamento sem precedentes e capacidade de armazenamento de computadores hoje – e no futuro. Imagem via kkssr e graphicINmotion – na Shutterstock.

 

Inovação nas imagens do espaço

Embora a Quarta Revolução Industrial esteja associada principalmente às tecnologias emergentes aqui na Tterra, ela também está transformando o espaço. As empresas conectadas à indústria espacial – estimadas em aproximadamente US $ 350 bilhões – estão utilizando tecnologias associadas à Quarta Revolução Industrial de uma infinidade de maneiras.

Por exemplo, a Internet das Coisas teve um boom no espaço, graças ao aumento da acessibilidade de pequenos satélites e mega-constelações de internet. Isso inclui  a mega constelação Starlink da SpaceX, que fornecerá a todos no planeta internet de alta velocidade, e a arquitetura de comunicação para dispositivos IoT para coletar e transmitir enormes quantidades de dados para qualquer lugar do mundo. 

Os avanços na IA e nos robôs também estão nos ajudando a nos aventurar mais na exploração do espaço, desde o projeto de missões até o processamento de fluxos de dados. Um assistente virtual desenvolvido recentemente pode detectar qualquer perigo em missões longas, como dióxido de carbono na atmosfera. Enquanto isso, uma IA chamada Cimon voou para a estação espacial internacional em dezembro de 2019, onde está sendo testada por três anos. Eventualmente, Cimon pode ajudar realizando tarefas que os astronautas lhe pedem para fazer. 

Mas, talvez um dos eventos mais esperados durante esta era de exploração espacial seja a missão da SpaceX de pousar os primeiros humanos em Marte – previsto para o ano de 2026.

As tecnologias que impulsionam a Quarta Revolução Industrial continuam a empurrar os limites da exploração e inovação do espaço como nunca antes, enquanto nos desafiam a repensar – e re-visualizar – como abordamos o espaço em nossos visuais. 

 

EspaçoO impacto da Quarta Revolução Industrial é igualmente aparente no espaço, no qual torna o espaço mais acessível, inovador e útil para a sociedade. Imagem via AleksandrMorrisovich e Gorodenkoff – na Shutterstock.

 

A Quarta Revolução Industrial está cheia de incógnitas – inaugurando um período de transformação, diferente de tudo que a humanidade já experimentou. E, enquanto estamos nos primeiros dias desta nova era, a curiosidade (e as preocupações) em torno do que o futuro nos reserva naturalmente atingiu o pico.

Imagens sensacionalistas muitas vezes podem ancorar os medos da sociedade, enquanto representações visuais precisas cortam o ruído e fornecem insights sobre essa nova fronteira de tecnologias. Sem dúvida, não há melhor momento para os criativos começarem a conceituar imagens bem informadas da Quarta Revolução Industrial para desmistificar e contextualizar o caminho à frente.

*Conteúdo publicado originalmente na Shutterstock e traduzido pela equipe Digitalks.

 

Kaori Abe

Com mais de 20 anos de experiência no mercado publicitário, hoje é Field Marketing Manager da Shutterstock para América Latina.

Comentários

PUBLICIDADE