Artigos

18 estratégias de SEO extremamente efetivas

Estima-se que o Google utiliza mais de 250 variáveis para determinar o posicionamento de uma página. Esses fatores compõem o algoritmo orgânico, um segredo empresarial tão bem guardando quanto a fórmula da Coca-Cola.

Infelizmente, estamos falando de estimativas e se soubesse, com certeza, quais são ao menos 50 destes fatores, o meu tralho e o de outros SEOs por aí, seria muito mais fácil. O que sei é que as estratégias compartilhadas nesse artigo foram testadas e comprovadas em 10 anos de profissão.

 

  1. Planeje

É comum nos depararmos com projetos cujo foco está apenas no posicionamento das palavras-chave. Esse é um indício claro de que não houve um planejamento estratégico para a campanha.

 

Planejamento Estratégico

Utilizando um conceito básico da administração de empresas, o planejamento estratégico inicial de SEO (PEI de SEO) tem como objetivo definir as estratégias de curto, médio e longo prazo, assim como as metas de curto, médio e longo prazo.

Tenha claro quais são os objetivos do seu negócio ou do negócio do seu cliente. Defina como o SEO irá ajudá-lo a alcança-los. Mapeie todas as deficiências técnicas e as não conformidades com as diretrizes de qualidade do Google. Utilizar ferramentas como Site Audit da SEMRUSH ou o Website Auditor da SEO PowerSuite podem ajudar você a ganhar tempo.

Faça um mapa do cenário atual, para comparativos futuros e não esqueça de documentar tudo. Na SEO Marketing costumamos apresentar o PEI de SEO para o cliente, que após a apresentação recebe um PDF com tudo que foi planejado.

Planejamento Tático

Outra situação corriqueira é ver projetos de SEO fracassarem porque não houve um plano tático bem definido ou até mesmo porque não houve um.

Nesse caso é essencial um plano de ação com todas as estratégias e melhorias definidas no planejamento estratégico. Ao criar seu plano de ação organize as tarefas por ordem de prioridade. Uma dica simples é priorizar as tarefas de acordo com a complexidade de execução e o impacto nos resultados.

Por exemplo, corrigir erros no sitemap.xml e aumentar o número de páginas indexadas. Criar e enviar um sitemap.xml ao Google por meio do Search Console leva menos que meia hora dependendo do tamanho do site.

 

Planejamento Operacional

Quem faz o quê e em quanto tempo?

Quantas vezes você não escutou alguém dizer: mas eu já enviei ao cliente e ele não implementou. Quem é de agência sabe muito bem do que estou falando.

Se os prazos e os responsáveis das tarefas não estiverem bem definidos os resultados nunca virão. Portanto, defina os responsáveis e as datas de entregas para cada tarefa. Em 10 anos de profissão eu já utilizei vários métodos para garantir que tarefas definidas fossem implementadas corretamente.

Não importa como, seja com uma ferramenta de gerenciamento de projetos ou planilhas de excel, contanto que fique claro quem e quando uma tarefa deve ser entregue.

 

  1. Defina seu público-alvo

É importante ressaltar que se você não executar essa estratégia com perfeição a efetividade das próximas ações serão comprometidas.

Comece clusterizando seu público-alvo, para então definir as Buyer Personas. Por Buyer Personas entende-se a definição fictícia do cliente ideal. Existem várias ferramentas gratuitas que podem ajudá-lo a definir as personas do seu público-alvo, umas das minhas favoritas é a ferramenta para criar buyer personas do Marketing de Conteúdo do Rafael Rez.

 

  1. Escolha as palavras-chave mais importantes

Popularmente conhecida no meio do SEO como pesquisa de palavras-chave. Com auxílio de ferramentas como Keyword Planner do Google, Ubersuggest.io e Google Trends, defina as palavras mais buscadas relacionadas aos seus produtos e serviços mais buscadas. Selecione as mais relevantes com base nas personas e suas jornadas de compra.

 

  1. Priorize as palavras de cauda longa (long tail keywords)

Eu considero esse ponto mais um hack de SEO do que uma estratégia. Com base na jornada de compra do seu cliente, defina grupos de palavras para cada etapa do funil. Quanto mais próxima da conversão, mais especifica é a palavra-chave.

Palavras muito especificas geralmente são mais longas, daí o nome palavras-chave de cauda longa (long tail keywords). Geralmente, são termos com baixo volume pesquisa, mas alta probabilidade de conversão. Sem contar que são mais fáceis de posicionar no topo dos resultados orgânicos do Google em um curto período de tempo.

 

  1. Faça curadoria de conteúdo

Fazer curadoria do conteúdo previamente publicado é outra estratégia que pode ser considerada um hack. Comece identificando as páginas com maior potencial de gerar tráfego qualificado ao site e consequentemente conversões.

Para essa tarefa recomendo uma das minhas ferramentas de SEO favoritas: a SEMRUSH. Utilizando o gráfico de distribuição de posição orgânica, selecione as palavras-chave que estão entre as posições orgânicas 11 e 20 e otimize as respectivas páginas.

Com auxílio do Google Analytics mapeie as páginas com taxa de rejeição acima de 90%. No Search Console, identifique as páginas com posicionamento médio acima de 10, com mais de 1.000 impressões e taxa de cliques (CTR) abaixo de 2%.

No artigo “Como fazer Curadoria de Conteúdo e Melhorar os Resultados de SEO” descrevo detalhadamente todo o processo de curadoria de conteúdo.

 

  1. Otimize o código fonte

Da organização das tags à semântica, otimizar o código fonte é tarefa obrigatória. Atualmente há um arsenal de ferramentas que podem auxiliá-lo a identificar o que precisa ser otimizado no código de um site para que ele se torne mais “Google Friendly”. Algumas delas mencionei previamente e outras estão listadas abaixo:

  • AWR Website Auditor
  • WooRank
  • Moz Pro – Crawl Test Tool
  • SEO Report Card
  • Hubspot’s Website Grader

 

  1. Reduza o tempo de carregamento das páginas

Diretamente relacionada à estratégia anterior, um código limpo e bem estruturado ajuda a reduzir o tempo de carregamento, mas existem outros elementos que precisam ser otimizados para que as páginas de um site abram em menos de 2 segundos, tal como recomendado pelo Google.

Ferramentas como o PageSpeed Insights do Google, Webpagetest.org e GTmetrix, além de avaliar o tempo de carregamento das páginas, sugerem melhorias de forma bem detalhada. Se não você não manja de programação vai precisar da ajuda de um programador.

 

  1. Organize as heading tags de forma hierárquica

Também diretamente relacionada à otimização do código, mas devido a sua importância na otimização de uma página, acho importante tratar as heading tags de forma independente.

Entretanto, é relativamente simples otimiza-las. Defina quais são os principais templates de páginas do site. Exemplo: Home, Categorias e Produtos. Para cada tipo de página defina as heading tags de forma hierárquica, sempre lembrando dos seguintes pontos:

  • Apenas uma H1 por página
  • H1 sempre no título da página. Ex: Nome do produto
  • H2 em subtítulos. Ex: linhas finas
  • H3 em intertítulos: Ex: cada uma das estratégias deste artigo
  • Não utilizar heading tags em elementos que não estão relacionados ao conteúdo principal da página. Ex: em rodapés e menus de navegação
  1. Otimize o conteúdo textual

Além do óbvio, que é repetir as palavras-chave relevantes e suas variáveis na página. A correta otimização do conteúdo deve levar em consideração as personas para a qual ele foi produzido. No caso de produtos e serviços é importante deixar os diferenciais bem definidos e utilizar “calls to action” claros e objetivos . Algumas perguntas podem ajudá-lo a otimizar melhor as páginas de um site:

  • O conteúdo responde todas as possíveis dúvidas?
  • A mensagem é clara e objetiva?
  • Passa impressão de que foi escrito com autoridade?
  • É melhor que os 10 primeiros resultados orgânicos do Google para pesquisas relacionadas ao tópico em questão?

Se todas as respostas foram sim parabéns, você provavelmente já está colhendo bons resultados com SEO.

 

  1. Mobilize-se

Decidi utilizar um termo cunhado no meio do marketing digital brasileiro por um grande amigo meu, o João Paulo de Oliveira da Apiki, os caras são autoridade quando o assunto é WordPress, mas levam o mobile muito a sério. E se você ainda não leva, deveria.

É de conhecimento geral que o Google favorece sites compatíveis com dispositivos móveis, ou seja, sites responsivos ou mobile. Mas essa é apenas a ponta do iceberg quando falamos de SEO para Mobile.

Cada vez mais usuários acessam a internet em seus smartphones e tablets. Desde 2015 as pesquisas em dispositivos móveis ultrapassaram as realizadas em desktops. É cada vez mais comum analisar o tráfego de sites cuja relação mobile versus desktop é da proporção de 70 para 30, ou seja, 70 por cento do tráfego provém de mobile.

Portanto, além de um site ser mobile ele precisa oferecer uma experiência única de navegação, diagramação do conteúdo e claro performance.

 

  1. Aprimore a experiência do usuário constantemente

Nos dias de hoje, tempo de carregamento e “mobile friendlyness” são conceitos básicos de UX. Mas a experiência do usuário é algo que deve ser aprimorado constantemente. Portanto, é importante compreender e analisar intensivamente o comportamento do usuário no site.

Para isso, utilize ferramentas de heatmap que monitoram e gravam o comportamento dos usuários no site. Ferramentas como CrazyEgg, Hotjar e Clicktailz são boas opções. Paralelo a isso, é importante realizar testes A/B com as páginas de conversão do site. Nesse caso Optimizely é uma das melhores.

 

  1. Monitore a concorrência

Já dizia algum físico ou químico famoso, nada se cria tudo se copia. Isso nunca foi tão verdade após o advento da internet e consequentemente do marketing digital.

Identificar as estratégias mais eficazes dos seus concorrentes e reproduzi-las é algo que pode ajudá-lo a acelerar os resultados. Analise a quantidade de palavras na primeira página de resultados do Google, mapeie quais as páginas estão gerando mais tráfego e análise detalhadamente os backlinks. Para essas tarefas recomendo a SEMRUSH, todas essas análises podem ser realizadas com a ferramenta. Se o budget está curto, a versão gratuita é suficiente para gerar bons insights.

Com o Google Alertas monitore às menções a marca dos principais concorrentes e fique ligado onde e quando eles conquistam um link. Preciso dizer que você deve tentar conquistar links nos mesmos sites?

Antes que os críticos de plantão me detonem. A frase correta é:

“Nada se cria, tudo se transforma” – Antoine Lavoisier

 

  1. Construa a presença digital da marca ou empresa

Dos backlinks em sites relevantes e de boa autoridade às menções à marca sem links. Os links externos continuam sendo o principal fator de ranqueamento do algoritmo orgânico do Google, mas ser mencionado em sites de renome, mesmo sem link, também ajudam a construir a autoridade de um site e suas páginas.

Comece mapeando os parceiros comerciais e fornecedores com potencial de solicitar um link. Mapeie os sites mais relevantes em seu nicho, estude-os e defina estratégias para conseguir uma inserção neles, de preferência com links de volta para seu site.

Presença nas redes sociais também ajuda. Utilize as plataformas mais relevantes para construir uma audiência e falar diretamente com o público, o Google vê isso com bons olhos.

 

  1. Faça Black HACK

Leiam novamente, não é Black Hat. Black HACK foi apenas um termo que criei para incentivar o Growth Hacking em SEO na minha equipe. Basicamente o que fazemos é definir processos que nos ajudem a ganhar tempo nas tarefas diárias e com isso acelerar os resultados de nossos clientes.

 

  1. Socialize

No item 13 falamos sobre construir a presença social de uma marca ou empresa com as redes sociais. Socializar que dizer compartilhar conteúdo nas redes sociais para atingir o maior número de usuários possíveis. De nada adianta produzir conteúdo se ninguém consegue encontra-lo.

Quanto maior o número de interações sociais de uma página, maior será sua importância para o Google. Alguém tem dúvida de que um conteúdo que é popular nas redes sociais, é de interesse do Google também? Afinal o objetivo do Google é ranquear os sites mais relevantes para um determinado tópico.

 

  1. Automatize

Um dos maiores desafios do SEO é a automatização. Ao contrário de campanhas de mídia paga onde ferramentas de automação possibilitam que um único analista cuide de 100 contas, no SEO o buraco é mais embaixo.

No SEO é tudo muito manual, normalmente um projeto envolve no mínimo dois profissionais: o especialista em on-page e o especialista em off-page. Praticamente todas as tarefas são feitas na mão, salvo as ferramentas que analisam o site, mas mesmo assim depois é preciso implementar todas as melhorias sugeridas.

Entretanto, é possível automatizar algumas tarefas em determinadas situações. Como por exemplo a otimização das páginas de produtos e serviços. Mas como assim, você acabou de dizer que o analista on-page tem que fazer as implementações na mão?

Toda vez que uma página de produto recebe uma avaliação e um comentário, o conteúdo da página é atualizado com textos únicos, muitas vezes ricos em palavras-chave. Conteúdo fresco e atualizações constantes são dois dos alimentos favoritos do Googlebot.

Portanto, incentive os usuários a comentar e avaliar as páginas de produtos, serviços e artigos. Coloque o SEO dessas páginas no automático com conteúdo gerado pelos usuários.

 

  1. Monitore, analise, aprenda e corrija

Para essa estratégia é essencial ter o Google Analytics instalado, o site validado no Google Search Console e uma ferramenta de monitoramento especializada em SEO.  Como por exemplo, aquelas mencionadas no item 6.

Com os objetivos e metas bem definidas monitore os indicadores de performance (KPIs) e analise se a evolução está indo conforme planejado. Intensifique as ações que trazem bons resultados, aprenda com os erros e corrija as rotas.

 

  1. Repita os passos de 1 a 17 exaustivamente

Partindo do princípio que a otimização de sites para mecanismos de busca é um processo cíclico e em constante evolução, as estratégias descritas acima devem ser repetidas, não exaustivamente, mas com certa periodicidade.

Pro tip: O intervalo de tempo de cada ciclo de SEO deve ser definido durante a fase de planejamento do projeto. Se o projeto é de 12 meses, por exemplo, defina ciclos de no máximo três meses. Intervalos trimestrais permitem que você tenha tempo de medir a efetividade das estratégias executadas no período, definir se está tudo indo conforme o planejado e caso os resultados não estiverem satisfatórios, você tem tempo de corrigir a rota.

 

Conclusão

O SEO pode parecer complicado, mas se você seguir à risca cada uma das estratégias apresentadas neste artigo você terá boas chances de chegar ao topo dos resultados orgânicos do Google.

CSO na agência de Marketing Digital Hedgehog Digital. Desde 2015 listado entre os top 3 SEOs do Brasil, tendo ganho o prêmio no mesmo ano. Há mais de 10 anos apaixonado por SEO, Content Marketing e Marketing Digital em geral. Já liderou mais de 100 projetos de SEO e Content Marketing em empresas no Brasil, Reino Unido e Europa.

Comentários

PUBLICIDADE